terça-feira, 14 de junho de 2016

Ônibus escolares continuam abandonados em Ilhéus


Em mais uma visita ao estacionamento dos ônibus escolares de Ilhéus. o Conselho Municipal do Fundeb verificou que oito veículos continuam abandonados, sucateados e sem condições de funcionamento. Os ônibus, que deveriam estar transportando estudantes na zona rural, estão parados e tomados pelo mato.



Essa mesma situação já foi verificada em visitas anteriores, com a elaboração de relatório e solicitação de providências. A Prefeitura de Ilhéus chegou a assumir o compromisso de regularizar a situação, mas até o momento nada foi feito e os ônibus continuam abandonados e sucateados.

O Conselho do Fundeb ja encaminhou o Ofício 042/16 ao Promotor Público Frank Ferrari comunicando a situação e solicitando providências.









Conselho Fundeb visita obras da Escola Municipal Cáritas Diocesana


O Conselho Municipal do Fundeb visitou as obras de reforma da Escola Municipal Cáritas Diocesana, no Alto do Banco da Vitória, para verificar a situação dos serviços e analisar a previsão de retorno do funcionamento dessa unidade. Em obras a vários meses e com os alunos estudando provisoriamente em um espaço improvisado, a escola precisa voltar a funcionar nas suas antigas instalações.



Na visita o Conselho do Fundeb verificou a qualidade dos serviços, o que está sendo realizado no local, o material utilizado, além das pendências que precisam ser providenciadas para concluir a obra e garantir o retorno imediato do funcionamento dessa unidade escolar.







segunda-feira, 25 de abril de 2016

Conselho do Fundeb denuncia situação crítica da Escola Municipal de Vila Olímpio

Em visita a Escola Municipal de Vila Olímpio, na zona rural de Ilhéus, os membros do Conselho Municipal do Fundeb verificaram que a situação da unidade escolar é critica e o prédio pode desabar a qualquer momento. De acordo com os professores e a comunidade, a suspeita é de que o terreno está cedendo e o prédio pode cair.


Por conta disso, os alunos estão sem aulas. Os professores foram informados que não haveria aulas até que houvesse um laudo técnico dos engenheiros da Prefeitura e fosse encontrada uma solução. Até lá os estudantes ficarão prejudicados.


Reformada recentemente, pelo menos como consta nos pagamentos e planilhas, a escola está num verdadeiro caos. As paredes estão rachadas, o forro desabando, enormes casas de cupins por todos os lados e a sensação de que o prédio estaria inclinando para trás.


Professores e alunos estão com medo de ficar no local, que ameaça desabar. O problema é que ninguém sabe quando serão tomadas as necessárias providências e nem por quanto tempo os estudantes ficarão sem aulas por conta da falta de compromisso da administração municipal com a educação.


Confira as fotos:





 

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

APPI e CAE, CME e Fundeb entram na luta para combater o aedes aegypti

A APPI/APLB-Sindicato e os conselhos municipais de Educação, Alimentação Escolar e Fundeb entram na luta para combater o aedes aegypti e convidam os conselheiros, profissionais da educação e comunidade ilheense para participar da Campanha da Educação Brasileira contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chinkungunya. Para participar basta comparecer nesta sexta-feira, dia 26 de fevereiro, das 14 às 16 horas, à Biblioteca Municipal de Ilhéus, onde serão explicados os detalhes da campanha e a importância de cada um nesse combate.

A presidente da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (UNCME), Gilvânia Nascimento, informa que o Brasil enfrenta um momento extremamente grave com relação à infestação do mosquito aedes aegypti, transmissor da dengue, da febre chinkungunya e do zika vírus.  “A gravidade da situação requer um esforço coletivo da sociedade brasileira e o compromisso do poder público, no sentido de adotar as estratégias necessárias para a eliminação dos focos de mosquito e a devida assistência e proteção à saúde de todos os cidadãos brasileiros, especialmente às populações mais vulneráveis, embora o mosquito não tenha fronteiras e nem escolha específica por classe social”, explica.

Segundo ela, a ação de todos é necessária para o enfrentamento desta questão tão grave e complexa que nos atinge neste momento. “Nossa participação é muito importante. Juntos podemos ajudar a alterar a rota traçada pelo mosquito. Nossas crianças precisam deste nosso compromisso. Os adultos também. Não sabemos onde pode estar a próxima vítima”, alerta. Durante o encontro serão distribuídos materiais informativos com orientações para a comunidade sobre as causas das doenças, os sintomas e como combater o mosquito.

O presidente da APPI/APLB-Sindicato, Osman Nogueira Junior, destaca a importância da comunidade escolar divulgar essas informações para sua família, colegas e para a comunidade do bairro. “Contamos com ajuda de todos no combate ao mosquito e a todas as suas terríveis consequências. O mosquito não pode ser mais forte que um país inteiro”, complementou. A reunião será aberta a toda a comunidade interessada em se engajar nessa luta de combate ao mosquito aedes aegypti